ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM BIOLOGIA: ARTICULANDO SABERES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Simara Rodrigues Gheno, Ana Gabriela da Silva Rocha, Rossano André Dal-Farra

Resumo


A formação inicial de professores se caracteriza tradicionalmente pela dificuldade em vincular o conteúdo específico da área com o conhecimento pedagógico. Nesse cenário, o estágio supervisionado surge como a oportunidade de vivenciar a docência articulando estes saberes adequadamente. Diante desta questão, analisou-se os relatórios de estágio em Biologia de licenciandos com o objetivo de identificar as formas pelas quais os estudantes buscam congregar os distintos saberes na construção de práticas educativas relevantes e, principalmente, como manifestam seus olhares em relação a tal articulação diante da comunidade escolar na qual realizam o seu estágio. Foi verificado que, embora os estagiários apresentassem uma intencionalidade em relação a determinados princípios educacionais, ocorreu, em muitos casos, um processo de adaptação metodológica visando atender as necessidades dos alunos e as peculiaridades da escola e/ou do professor titular.

Palavras-chave


Estágio supervisionado. Formação de professores. Ensino de biologia.

Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, M. Ofício de Mestre: imagens e auto-imagens. Petrópolis: Vozes, 2000.

BEHRENS, M. A. O Estágio Supervisionado de Prática de Ensino: Uma proposta coletiva de reconstrução. 1991. 154 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP.

CASTOLDI, R; POLINARSKI, C. A. A utilização de Recursos didático-pedagógicos na motivação da aprendizagem. In: II SIMPÓSIO NACIONAL DE ENSINO DE CIENCIA E TECNOLOGIA. Ponta Grossa, PR, 2009. Disponível em: . Acesso em: 05 maio 2015.

CRESSWELL, J. D. Research Design. 4th edition. Thousand Oaks: SAGE Publication, 2013.

CRESSWELL, J. D., CLARK, V. L. P. Designing and Conducting Mixed Methods Research. 2nd edition. Thousand Oaks: SAGE Publications, 2011.

DAL-FARRA, R. A.; LOPES, P. T. C. Métodos mistos de pesquisa em educação: Pressupostos teóricos. Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente-SP, v. 24, n. 3, p. 67-80, set/dez. 2013.

DEWEY, J. Experiência e Educação. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1979.

______. Como pensamos. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1953.

DINIZ-PEREIRA, J. E. A formação acadêmico-profissional: compartilhando responsabilidades entre universidades e escolas. In: EGGERT (org). Trajetórias e processos de ensinar e aprender: didática e formação de professores. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008. p. 253-267.

FERNANDEZ, C. Revisitando a base de conhecimentos e o conhecimento pedagógico do conteúdo (PCK) de professores e ciências. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v. 17, n. 2, p. 500-528, 2015.

FRANCO, M. E. D. P. Comunidade de conhecimento, pesquisa e formação do professor do ensino superior. In: MOROSINI, Marília Costa. (org). Professor do ensino superior: identidade, docência e formação. 2. ed. Brasília: Plano, 2001.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GARCIA, C. M. A formação de professores: novas perspectivas baseadas na investigação sobre o pensamento do professor. In: NÓVOA, A. (Org.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar. 13. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

LÜDKE, Menga, BOING, L. Aberto. O trabalho docente nas páginas de educação & sociedade em seus (quase) 100 números. Revista Educação e Sociedade. Campinas: Unicamp, v. 28, n. 100, out. 2007.

MIZUKAMI, M. da G. N. Docência, trajetórias pessoais e desenvolvimento profissional. In: REALI, A. M. de M. R. e MIZUKAMI, M. da G. N. (Org.) Formação de professores: tendências atuais. São Carlos, SP: Editora da UFSCar, 1996.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa: a teoria e texto complementares. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2011.

MORETTO, V. P. Prova: um momento privilegiado de estudo não um acerto de contas. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

NÓVOA, Antônio (Org). Vida de professores. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

PERELLÓ, J. S. Pedagogia do estágio. Belo Horizonte: Editora PUC; Minas Gerais: CIEE/MG, 1998.

PERRENOUD, P. A prática reflexiva no ofício de professor: profissionalização e razão pedagógica. Tradução de Cláudia Schilling. Porto Alegre: Artmed, 2002.

PÉREZ GÓMEZ, A. I. O pensamento prático do professor – a formação do professor como profissional reflexivo. In: NÓVOA, A. (Coord.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1995, p. 93-114.

PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. (Orgs). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

VASCONCELLOS, C. dos S. Planejamento: Projeto de ensino-aprendizagem e projeto político-pedagógico. 12. ed. São Paulo: Libertad, 2004.

VEIGA, I. P. A. Professor: Tecnólogo do ensino ou agente social? In: VEIGA, I. P. A.; AMARAL, A. L. (Orgs.). Formação de Professores: políticas e debates. Campinas, SP: Papirus, 2002, p.65-93. (Coleção Magistério: Formação e trabalho pedagógico)




Direitos autorais 2016 Pedagogia em Foco

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Pedagog. Foco, Iturama (MG) - ISSN 2178-3039