ELABORAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA FAVORECER O ENSINO DE CIÊNCIAS: A TRILHA DO CORPO HUMANO

Mônica dos Santos Cruz, Marcelo Diniz Monteiro de Barros

Resumo


O presente trabalho trata da utilização de recursos pedagógicos lúdicos na prática diária do ensino de Ciências e Biologia para alunos do nível básico de ensino. A proposta consiste em uma atividade no formato de um jogo de trilha intitulado “A trilha do Corpo Humano” e, a partir de sua aplicação junto a alunos do 8º. Ano do Ensino fundamental, verificar sua eficácia como instrumento potencializador do ensino do Tema Corpo Humano e Saúde, obrigatório segundo as recomendações dos Parâmetros Curriculares Nacionais. A metodologia utilizada consistiu na aplicação do jogo “A Trilha do corpo Humano”, seguido de um questionário de avaliação deste, associado a outros recursos didáticos em três turmas, de forma a se obter um comparativo do percentual da média obtida em uma avaliação diagnóstica destas três turmas em relação a uma turma controle. Realizados os procedimentos e a partir da análise dos dados obtidos foi possível comprovar que o jogo “A Trilha do Corpo Humano” pode ser entendido como um recurso pedagógico que favorece o ensino num contexto de uma aprendizagem cooperativa, uma vez que, no formato de jogo, em que foi criado, os alunos sentem uma atração e prazer maior em participar.

Palavras-chave


Ensino de Ciências. Jogo de trilha como estratégia didática. Pesquisa em Educação Básica.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, C.; PAULINO, W. R. Ciências. Ensino Fundamental 2. São Paulo: Ática, 2016.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). Terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental – Ciências Naturais. Brasília: MEC/SEF, 1998.

COSTA, M. L.S. T. Ambientes virtuais de aprendizagem na educação a distância na pós modernidade. Dialógica – Revista Eletrônica da FACED, v. 1, n. 2, 2007 [online] disponível em: . Acesso em: 03 nov. 2013.

FERRACIOLI, L. Aprendizagem conhecimento e desenvolvimento na obra de Jean Piaget: uma análise do processo de ensino aprendizagem em Ciências. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 80, n. 194, p. 5-18, jan./abr. 1999.

GEWANDSZNADJER, F. Projeto Teláris: ciências. Ensino Fundamental 2. 2. ed. São Paulo: Ática, 2015.

KNECHTEL, C. M.; BRANCALHÃO, R. M. C. Estratégias lúdicas no ensino de Ciências. 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2016.

LONGO, V. C. C. Vamos jogar? - jogos como recursos didáticos no ensino de ciências e biologia. Prêmio Professor Rubens Murillo Marques 2012: incentivo a quem ensina a ensinar/Fundação Carlos Chagas. São Paulo, FCC/SEP. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2016.

LOPES, S. Investigar e Conhecer: ciências. Ensino Fundamental 2. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.

MIZUKAMI, M.G.N. Ensino: As abordagens do processo. 13. reimpressão. São Paulo: EPU, 2003.

OSMOSIS Jones (título original). Direção: Bobby Farelly e Peter Farelly. Estados Unidos: Warner Home Video, 2001, 1 DVD, 95min.

PELIZZARI, A. et al. Teoria da aprendizagem significativa segundo Ausubel. Revista PEC, 2(1), p. 37-42, 2002.

SANTOS, J. C. F. Aprendizagem Significativa: modalidades de aprendizagem e o papel do professor. 5. ed. Porto Alegre: Mediação, 2013.

SILVA, E.A. As inserções de Carl Rogers nas Teorias da Educação. In. AMORIM, A. S. et al Teorias, Ensino e Aprendizagem. São Paulo: Paco Editorial, 2015. p.15-32.

VEEN, W; VRAKKING, B. Homo zappiens: educando na era digital. Porto Alegre: Artmed, 2009.




DOI: https://doi.org/10.29031/pedf.v13i9.346

Direitos autorais 2018 Pedagogia em Foco

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Pedagog. Foco, Iturama (MG) - ISSN 2178-3039