A INTERFACE ENTRE A EDUCAÇÃO INTEGRAL E A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES NAS ESCOLAS DE/EM TEMPO INTEGRAL

Patricia Pato dos Santos

Resumo


O presente artigo tem como objeto de estudo a formação continuada de professores de escolas de/em tempo integral que compõem a rede municipal de ensino de Campo Grande/MS. Desta feita, a análise parte de uma incursão histórica sobre a gênese e a constituição da educação integral brasileira a fim de apreendê-la por meio das mediações com a totalidade construída. Nessa perspectiva, a formação integral torna-se fundamental para o desenvolvimento humano global, ao colocar o sujeito como primazia para a educação, exigindo assim a implementação de programas de formação continuada de professores, que propiciem a prática reflexiva para o atendimento à diversidade de situações que permeiam os processos de ensino e de aprendizagem. Como aporte metodológico deste estudo adota-se a análise de fontes teórico-documentais, constituindo-se assim em um estudo de caso. Para compreender o objeto de estudo faz-se opção por uma abordagem teórica fundamentada na filosofia da práxis, optando-se pela abordagem qualitativa para a construção dos dados. Como resultado, observa-se que as temáticas propostas para as sessões de estudo na perspectiva da educação integral fomentam práticas educativas que contemplem a instrumentalização metodológica para compreensão do universal, por intermédio de problematizações que se conectem à tríade prática-teoria-prática. Os achados dialogam com a compreensão de que a formação continuada de professores não pode estar dissociada da prática social, que se interpõe a cada área do conhecimento por meio de ações curriculares que se efetivem além da expectativa de suprir possíveis lacunas da formação inicial.

Palavras-chave


Escolas de/em tempo integral. Educação integral. Formação continuada de professores.

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, C. Q. Fica sem resposta o que os livros dizem: a mediação na perspectiva da pedagogia histórico-crítica. Campinas: Papirus, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Diário Oficial da União (DOU), 20 dez. 1996.

BRASIL. Portaria Normativa Interministerial nº 17, de 24 de abril de 2007. Dispõe sobre a criação do Programa Mais Educação. Brasília, 2007.

¬¬BRASIL. Decreto nº 7083, de 27 de janeiro de 2010. Dispõe sobre o Programa Mais Educação. Brasília: Diário Oficial da União(DOU), 2010.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. 562p. Disponível em: file:///C:/Users/user/Downloads/diretrizes_curiculares_nacionais_2013.pdf. Acesso em: 12 mar. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Plano Nacional da Educação (PNE). Brasília: Diário Oficial da União (DOU), 25 jun. 2014. Seção 1, p. 2.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Parecer CNE/CP nº 2, de 25 de junho de 2015.Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Brasília, DF: CNE, 2015.

BRASIL. Portaria nº 1.144, de 10 de outubro de 2016. Dispõe sobre a criação do Programa Novo Mais Educação. Brasília: Diário Oficial da União(DOU), 11 out. 2016.

CAMPO GRANDE. Secretaria Municipal de Educação. Superintendência de Gestão de Políticas Educacionais.Educação Integral: uma experiência da Rede Municipal de Ensino de Campo Grande-MS, 2011.

CAMPO GRANDE. Secretaria Municipal de Educação. Plano Municipal de Educação. Lei nº 5.565, de 23 de junho de 2015. Disponível em: http://portal.capital.ms.gov.br/diogrande/diarioOficial. Acesso em: 17 mar. 2018.

CARVALHO, Carla de Britto Ribeiro. O Programa Mais Educação no contexto da educação integral: estratégia para ressignificar tempos, espaços e aprendizagens escolares. 2016. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós- Graduação Mestrado Profissional em Educação, Unidade Universitária de Campo Grande/MS.

CAVALIERE, Ana Maria. Questões sobre uma proposta nacional de gestão escolar local. In: IV CONGRESSO LUSO BRASILEIRO, I CONGRESSO IBERO BRASILEIRO, 2010, Elvas, Cáceres e Mérida. Anais Espaço Público da Educação: emergência de políticas e práticas de gestão local, regional e nacional, 2010. v. 9. p. 1-11.

CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO, CULTURA E AÇÃO COMUNITÁRIA. CENPEC.Tendências para a educação integral. São Paulo: Fundação Itaú Social, 2011. 108p.

DEMO, Pedro. Educar pela Pesquisa. Campinas, SP: Autores Associados, 1997.

FONSECA, João José Saraiva da. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

GATTI, Bernadete A. Análise da política públicas para formação continuada no Brasil, na última década. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, Anped; v. 13, n. 37, p. 57-70, jan./abr. 2008.

GADOTTI, M. Educação integral no Brasil: inovações em processo. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2009.

GASPARIN, J. L. Aprender, Desaprender, Reaprender. 2005. Texto digitalizado.

GUARÁ, I. M. É imprescindível educar integralmente. In: CENPEC. Educação integral. São Paulo, 2006.p. 15-24

LIBÂNEO, José Carlos; OLIVEIRA, João Ferreira de; TOSCHI, Mirza Seabra. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, 2012.

MAURICIO, Lúcia Velloso (org.). Educação Integral e Tempo Integral. Em aberto, Brasília, v. 22, n. 80, p. 1-165, abr. 2009.

MOLL, Jaqueline. Caminhos da Educação Integral no Brasil: direito a outros tempos e espaços educativos. Porto Alegre: Penso, 2010.

SANTOS, Patrícia Pato dos.O Programa Mais Educação no contexto do Plano de Ações Articuladas (PAR): uma estratégia para a melhoria da qualidade da educação. 2016. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional em Educação, Unidade Universitária de Campo Grande/MS.

SAVIANI, D..Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras aproximações. Campinas: Autores Associados, 2013.

SISTEMA INTEGRADO DE MONITORAMENTO, EXECUÇÃO E CONTROLE. SIMEC. Disponível em: www.portal.mec.gov.br Acesso em: 12 mar. 2018.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.




DOI: https://doi.org/10.29031/pedf.v14i11.358

Direitos autorais 2019 Pedagogia em Foco

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Pedagog. Foco, Iturama (MG) - ISSN 2178-3039